Fotografia e cores de uma época perdida por Albert Kahn – Marcus Pessoa
1fev

Fotografia e cores de uma época perdida por Albert Kahn

Compartilhe com geral!
0Shares

Série de fotografias de uma época que não volta, uma época em que nem mesmo sabemos o que estavamos fazendo. Fotos sobre pessoas simples em ações corriqueiras no Iraque, soldados da paz ou da guerra quem sabe.

Apenas deixemos os nossos pensamentos nos transportar pra mesma época em que foram registradas essas fotos.

Kurdish-Girls-Carrying-Water-Jars-Zakho-Iraq-11-May-1917

O mundo maravilhoso de Albert Kahn.

“Kahn usou sua grande fortuna para patrocinar um grupo de fotógrafos destemidos para mais de 50 países ao redor do mundo, muitas vezes em momentos cruciais de sua história, quando as antigas culturas estavam à beira de ser mudada para sempre pela guerra e pela marcha globalizada do século XX “.

Em 1909, no início da fotografia colorida, o banqueiro francês Albert Kahn começou a documentar visualmente todas as culturas da família humana global. Com a fortuna que acumulou vendendo títulos de minas de diamantes da África do Sul e títulos de guerra ilegais aos japoneses, Kahn financiou uma equipe de fotógrafos que se espalhou pelo mundo para tirar fotos.

Nas duas décadas seguintes, esses artistas e etnógrafos produziram mais de 70.000 fotos em 50 países, da Irlanda à Índia e em todos os lugares intermediários.

Dois homens em frente a um templo hindu em Lahore, Paquistão, fotografado por Stéphane Passet para os “Arquivos do Planeta” de Albert Kahn.

Kahn viu esse projeto como uma espécie de antídoto para o nacionalismo e a xenofobia que moldaram sua própria vida desde o início.

Quando a Alemanha anexou sua província natal, a Alsácia, em 1871, sua família fugiu para o oeste e acabou se mudando para Paris. Como judeus, a família Kahn enfrentou uma variedade de preconceitos e obstáculos sistêmicos na França do século 19, mas o jovem Albert (cujo nome era na verdade Abraão) navegou nessas forças razoavelmente bem e recebeu uma educação de alto nível.

Albert Kahn, banqueiro, filantropo e viajante do mundo, inclinado sobre uma varanda parisiense em 1914. Fonte: wikimedia.org

Em Paris, a inteligência e o sucesso financeiro de Kahn o impeliram para a elite francesa. Ele caiu entre uma intelectualidade que incluía o escultor Auguste Rodin e o filósofo Henry Bergson, que ganharia o Prêmio Nobel de Literatura em 1927.

Essas amizades e suas primeiras viagens ao Egito, Vietnã e Japão ampliaram a visão de Kahn do possível impacto que ele poderia causar na política mundial. Ele desenvolveu uma crença fervorosa no poder das viagens e da conexão intercultural para trazer paz a um mundo à beira da guerra.

Kahn começou a agir de acordo com essas crenças estabelecendo sua bolsa “Around the World” em 1898. Um precursor de muitos intercâmbios internacionais modernos, como a Bolsa Fulbright, o fundo autour du munde de Kahn pagou para candidatos bem-sucedidos viajarem pelo mundo por quinze meses seguindo qualquer rota eles gostavam.

Além das bolsas, Kahn criou um jardim em sua propriedade fora de Paris com a mesma visão de cidadania global. O jardim combinava elementos da horticultura francesa, britânica e japonesa para, acreditava Kahn, ampliar a capacidade dos visitantes de apreciar outras culturas e desenvolver um senso de harmonia entre elas.

A bolsa de estudos e o jardim foram os primeiros esforços. Para Kahn, tudo mudou com o desenvolvimento do autocromo. Os irmãos Lumière apropriadamente nomeados inventaram o autocromo – a primeira forma escalável de fotografia colorida – em 1903/1904.

Esses mesmos irmãos franceses também haviam patenteado o cinematógrafo, uma das primeiras câmeras de cinema, alguns anos antes. Com esta nova tecnologia, Albert Kahn tinha as ferramentas para corresponder à sua visão de conectar as culturas de diversos países. Ele então financiaria a criação de les Archives de la planète, os Arquivos do Planeta.

Mulheres com roupas tradicionais em Corfu, Grécia, fotografadas por Auguste Léon para os “Arquivos do Planeta”.

De 1909 a 1931, a equipe de Kahn viajou para 50 países diferentes, incluindo Turquia, Argélia, Vietnã (que era então a Indochina Francesa), Sudão, Mongólia e sua França natal. Seu trabalho coletivo totaliza 73.000 placas autocromáticas e mais de 100 horas de vídeo.

Embora os nomes dos fotógrafos – Auguste Léon, Stéphane Passet, Marguerite Mespoulet, Paul Castelnau, León Busy e outros – tenham caído nas notas de rodapé da história, seu trabalho imortaliza os rostos, roupas e hábitos dos povos da Terra enquanto viviam um século atrás.

Kahn manteve esses registros incríveis em arquivos bem organizados em sua casa nos arredores de Paris. Todos os domingos à tarde, ele convidava amigos e estudiosos para passear em seus jardins e, às vezes, examinar os arquivos globais.

Apesar de seu idealismo de como o conhecimento de outras culturas poderia cultivar a boa vontade e a paz entre os países, Kahn parece ter acreditado que suas fotos existiam para o prazer visual da elite da sociedade. Ele só mostrou seus autocromos para algumas centenas de pessoas durante sua própria vida.

Por outro lado, Albert Kahn era muito mais progressista do que muitos defensores contemporâneos do intercâmbio cultural, que viam principalmente a interação intercultural como uma chance para os europeus civilizarem o resto do mundo. Para Kahn, o objetivo era celebrar o resto do mundo do jeito que estava.

Agricultores marroquinos posando para um dos fotógrafos de Kahn.

Agricultores marroquinos posando para um dos fotógrafos de Kahn.

A fortuna de Kahn entrou em colapso com a economia mundial no final da década de 1920.

Em 1931, o dinheiro para o Arquivo do Planeta havia acabado. Sua visão de um futuro mais pacífico também tinha seus limites. Kahn morreu, aos 80 anos, poucos meses após a ocupação nazista da França.

Seu projeto Arquivos do Planeta, porém, ainda vive. Os visitantes de Paris podem dirigir até os subúrbios para ver o Museu e Jardins Albert Kahn. Embora não estejam todas em exibição, as mais de 70.000 placas autocromáticas estão lá, e os jardins do antigo banqueiro foram restaurados à sua forma do início do século XX.

Mesmo décadas após a morte de Kahn, a mensagem de seu legado é clara: somos todos, não importa de onde viemos, parte da mesma família humana. Não somos tão diferentes quanto querem que acreditemos aqueles que desejam nos dividir.

Viaje pelo mundo com os fotógrafos da Kahn na galeria acima.

Kahn frequentava os meios intelectuais de Paris e era grande amigo de August Rodin, tendo falecido em 14 de Novembro de 1940, no inicío da ocupação da França pelo nazis.

A maior parte da sua obra encontra-se reunida no Museu Departamental de Boulogne-sur-Seine, fundado em 1986.

Kahn, que também registou aspectos da Primeira Guerra, documentou um mundo que desapareceu ainda durante o seu tempo de vida.

Abaixo alguns dos seus trabalhos.

Autochrome de Marguerite Mespoulet (inv.A 3 639).
© Musée Albert-Khan – Département des Hauts-de-Seine

Autochrome d’Auguste Léon (inv.A 69 800 X).
© Musée Albert-Khan – Département des Hauts-de-Seine

Autochrome d’Auguste Léon (inv.A 69 798 X).
© Musée Albert-Khan – Département des Hauts-de-Seine

“DokuMente”, “Die wunderbare Welt des Albert Kahn: Friedensrausch in Paris.” Im November 1918 feierten die Pariser den Waffenstillstand, der den Krieg mit dem deutschen Reich beendete. Die ganze Stadt hallte wieder vom Jubel und den Kl‰ngen der Marseillaise. Am 28. Juni 1919 versammelten sich Delegierte aus der ganzen Welt im Palast von Versailles bei Paris, um den Friedensvertrag zu unterzeichnen. Albert Kahn war einer der Wenigen, die einen Kameramann in den ber¸hmten Spiegelsaal von Versailles entsenden durften.Im Bild: Franzˆsische Soldaten kampieren auf dem Hauptplatz in Ralingen w‰hrend der Besatzungszeit, Ralingen, Deutschland, 1919. SENDUNG: ORF3 – MO – 09.07.2012 – 22:00 UHR. – Veroeffentlichung fuer Pressezwecke honorarfrei ausschliesslich im Zusammenhang mit oben genannter Sendung oder Veranstaltung des ORF bei Urhebernennung. Foto: ORF/BBC/Musee Albert-Kahn/Frederic Gadmer. Anderweitige Verwendung honorarpflichtig und nur nach schriftlicher Genehmigung der ORF-Fotoredaktion. Copyright: ORF, Wuerzburggasse 30, A-1136 Wien, Tel. +43-(0)1-87878-13606

Autochrome d’Auguste Léon (inv.A 69 804 X).
© Musée Albert-Khan – Département des Hauts-de-Seine

Autochrome de Fernand Cuville, inv. A 12243-AT.
© Musée Albert-Kahn – Département des Hauts-de-Seine

Autochrome de Frédéric Gadmer, inv. A 49044.
© Musée Albert-Kahn – Département des Hauts-de-Seine

Autochrome de Marguerite Mespoulet (inv.A 3 638).
© Musée Albert-Khan – Département des Hauts-de-Seine

Autochrome d’Auguste Léon (inv.A 69 803 X).
© Musée Albert-Khan – Département des Hauts-de-Seine

Autochrome d’Auguste Léon (inv.A 69 795 X).
© Musée Albert-Khan – Département des Hauts-de-Seine

Autochrome d’Auguste Léon (inv.A 69 796 X).
© Musée Albert-Khan – Département des Hauts-de-Seine

“DokuMente”, “Die wunderbare Welt des Albert Kahn: Mit den Augen der Soldaten.” Albert Kahn ist entsetzt, als Deutschland am 3. August 1914 Frankreich den Krieg erkl‰rt und in Belgien einmarschiert. Der ¸berzeugte Pazifist glaubt an das Gute im Menschen. Aber Kahn ist auch Patriot und erkl‰rt sich bereit, Fotografen an die Front zu schicken, um das Leben der Franzˆsischen Soldaten zu dokumentieren. Es entstehen einzigartige Farbaufnahmen, die alle Facetten des Soldatentums und des Krieges widerspiegeln.Im Bild: Soldaten in einem Kasernen-Graben vor ihren in den Felsen geschlagenen Kojen, St. Claude, Frankreich, 1. August 1915. SENDUNG: ORF3 – MO – 02.07.2012 – 22:40 UHR. – Veroeffentlichung fuer Pressezwecke honorarfrei ausschliesslich im Zusammenhang mit oben genannter Sendung oder Veranstaltung des ORF bei Urhebernennung. Foto: ORF/BBC/Musee Albert-Kahn/StÈphane Passet. Anderweitige Verwendung honorarpflichtig und nur nach schriftlicher Genehmigung der ORF-Fotoredaktion. Copyright: ORF, Wuerzburggasse 30, A-1136 Wien, Tel. +43-(0)1-87878-13606

Comentários

Compartilhe com geral!
0Shares

Sobre Marcus Pessoa

Sou manauense, graduado em Design de Interface Digital, pós-graduado em Marketing, Propaganda e Publicidade pela Laureate International Universities e mestrando em Design da Comunicação na Politecnico di Milano - Itália. Sou o idealizador do No Amazonas é Assim e em meu blog escrevo sobre Cidades Inteligentes, Marketing Digital, Curiosidades do Amazonas, Manaus de Antigamente além de dar minhas opiniões e Pitacos sobre coisas do cotidiano que interferem diretamente na vida de todos.

Um Comentário

  1. onde a gente estava? cada foto?

Deixe uma Resposta

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

*

© Copyright 2013-2022, Todos os Direitos Reservados