30jun

Os melhores parques, jardins e bosques que visitei no Brasil e no Mundo

Compartilhe com os amigos!
0Shares

Nesse post estarei fazendo uma lista dos melhores parques, jardins e bosques do mundo que já tive a possibilidade de frequentar, ver, andar e passear por eles.

Então, como é propriamente baseado na minha experiência, não diga que a minha lista é ruim, mas me aconselhe aqueles que você já esteve, este tipo de troca de experiência é sempre bem vindo. Considero meu site um local próprio pra isto e saiba que provavelmente num futuro próximo posso visitar os parques que você me sugeriu.

Vondelpark em Amsterdã

Vondelpark em Amsterdã

O Vondelpark é um parque de Amsterdã, nos Países Baixos, cujo nome é uma homenagem ao escritor Joost van den Vondel, que viveu no século XVII.

Minha experiência no Vondelpark:

O Vondelpark é um famoso parque em Amsterdã que visitei em 2011, jaz a lenda que as pessoas podem transar dentro do parque, porém quando estive lá, com meus amgios, não vimos nada de anormal, nada de gestos obscenos e tenha certeza que estavamos olhando direito em todos os arbustos.

O parque é enorme, tem ciclovias, tem um lago, o pessoal faz acampamento, nós ficamos sentados nos bancos que estavam por todo lado para conversarmos e refletirmos sobre a vida. Em um dos passeios acabamos encontrando uma bola de futebol no meio do lago, um pouco próximo da beira. Eu e meu amigo a perseguimos por minutos até conseguirmos com a ajuda de um holandês recuperá-la (queixá-la em bom amazonês).

Nessa hora, conhecemos um casal de holandês, eles nos foram super simpáticos e atenciosos, a menina ao saber que eramos brasileiros tentou falar português conosco, pois havia estudado em Florianópolis. Aproveitamos o gancho do português para tentarmos questionar sobre o fato do parque ser ou não liberado pra sexo durante o dia.

Ela então nos disse que existe uma lei da prefeitura de 2008 que possibilitava o livre amor das pessoas no parque (ou como disse a holandesa fuder), porém, uma lei da constituição diz que a polícia deveria proibir este tipo de ação, algo assim, é como se pudesse , mas não pudesse, pois uma lei conflita com outra. Portanto, não recomendo que você transe por lá, ainda que seja tentador.

Parco Sempione em Milão

Parco Sempione durante a primavera em Milão

Parco Sempione durante verão em Milão

Parco Sempione é um grande parque público, situado entre o Castello Sforzesco e o Arco da Paz. Foi construído por Emilio Alemagna, e contém uma arena napoleônica, o Civico Acquario di Milano (“Aquário Cívico de Milão”), uma torre, um centro de exposições de arte, algumas lagoas e uma biblioteca.

Minha experiência no Parco Sempione:

Esse é um dos locais que mais curto em Milão, você pode conferir 10 locais para visitar em Milão também. O que posso dizer é que Milão embora tenha poucas áreas verdes, ela possui diversos parques e jardins, os que acho mais top são : Parco Sempione, Parco Forlani, Parco Lambro e Giardini Pubblici (Jardins Públicos). Os Giardini Pubblici estão entre os mais antigos parques de Milão, fundado em 29 de novembro de 1783 e concluído por volta de 1790.

Aqui sempre que vamos nos reunir para comemorar algo e é ou primavera ou verão, nos reunimos no Parco Sempione, é uma área central, próxima do Duomo di Milão (cartão postal mais famoso de Milão). No parque você pode caminhar, ver os lagos, ver os patos, as garças, fazer pic nic, correr, andar de bicicleta, ler, enfim, é um local perfeito para todas as situações.

Durante os períodos mais quentes do ano , algumas pessoas vão para o Parco Sempione pegar sol, e colocam as espreguiçadeiras e pegam sol com lingerie mesmo, no começo você estranha, mas depois se acostuma, mas claro, não estou pronto ainda pra pegar sol de cueca no Parco Sempione…

Parque do Ibirapuera em São Paulo

Vista aérea do Parque do Ibirapuera, em São Paulo

O Parque Ibirapuera é o mais importante parque urbano da cidade de São Paulo, Brasil. Foi inaugurado em 21 de agosto de 1954 para a comemoração do quarto centenário da cidade e só perde em tamanho para o Parque do Carmo e o Parque Anhanguera.

Minha experiência no Parque Ibirapuera:

Este foi o primeiro parque parque que conheci, estive lá em 2009, pois tive que ir pra São Paulo fazer a prova de Proeficiência em Lingua Italiana, já que era necessário para que eu pudesse me candidatar a uma vaga da Politecnico di Milano.

O parque é tão grande, mas tão grande que nem consegui ver os seus 3 lagos, é do tipo de local que você precisa passar o dia inteiro para visitá-lo, porém, vale muito a pena. Ele liga toda a parte cultural da cidade de São Paulo, portanto existem várias entradas e saídas.

Eu mesmo nem sei por qual rua entrei lá, mas sei dizer que jamais o esquecerei.

Jardins de Versalhes na França

Jardins e Campos em Versalhes

Jardins e Campos em Versalhes

Os campos de Versalhes contêm um dos maiores jardins formais alguma vez criados, com extensos parterres, fontes e canais,desenhados por André Le Nôtre. Le Nôtre modificou os jardins originais, ampliando-os e dando-lhes um sentido de abertura e escala. Também gostava de usar a luz do Sol no seu maravilhoso trabalho de arte. Criou um plano centrado em volta do eixo central do Grand Canal. Os jardins estão centrados na fachada Sul do palácio, o qual está colocado num terraço para dar uma grande vista dos jardins.

Minha experiência no Parque de Versalhes:

Que lugar era aquele!? Fantástico, genial, místico, tudo em harmonia, todas as plantas devidamente podadas! Quando estivemos em Paris em janeiro de 2012, demos uma esticada até a famosa cidade de Versalhes (um dia foi capital do regime francês, hoje é apenas uma área do subúrbio de Paris).

Chegando lá fomos visitar o famoso Palácio de Versalhes (em francês: Château de Versailles) e após isso nos deparamos com o Jardim de Versalhes, cruzamos o Jardim e entramos no Parque de Versalhes, caminhamos por algumas horas até encontrarmos um vendedor de fastfood francês, as comidas eram das mais variadas, tudo pronto ali na hora, quentinho em marmitex e menu em 6 idiomas. Ele sabia dizer oi e tchau em todos os idiomas do menu Achei um barato!

Depois sentamos bonitinhos para comermos nosso almoço e conversarmos, após recuperados decidimos caminhar mais, e mais caminhávamos e mais tinha parque.

Corredores no Parque de Versalhes

Depois decidimos entrar nesses corredores e nos deparamos com outro parque, esse era aberto a população, então tinha pessoas de todas as idades, crianças com skate, patins, bicicleta, idosos caminhando e nós, pobres mortais perdidos. Após isso descobrimos que vários pequenos edifícios foram acrescentados ao parque de Versalhes, incluindo dois palácios independentes, conhecidos como o Grand Trianon e o Petit Trianon, tão famosos e conhecidos em todo o mundo como o próprio palácio de Versalhes. E dentro dos Trianons existiam outras pequenas coisas como o Petit hameau, ou Le Hameau de la Reine (“a aldeia da rainha”), um hortifruti etc etc.

Ou seja, tem que ter muita disposição, aaah… no final vimos que tinha um trenzinho que fazia o percurso em 1h Ou seja, se você não quiser caminhar tanto, vale a pena pagar por ele.

Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian

Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian

Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian

Calouste Gulbenkian foi um amante da arte, e homem de raro e sensível gosto, além de reunir uma extraordinária colecção de arte, principalmente europeia e asiática, de mais de seis milhares de peças.

Minha experiência no Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian:

Em fevereiro de 2012 fui à Lisboa e aproveitei para conhecer vários locais bacanas com a ajuda de uma amiga portuguesa que a conheci aqui em Milão em 2010. Existem diversos parques, praças e jardins em Lisboa que eu recomendaria, porém, não estou bem seguro se cheguei a visitar o Parque Eduardo VII ou se o vi apenas por fotos de internet. Sei dizer que são parques bem acolhedores, bem verde, e por eu ter ido no inverno português, eram bem fresquinhos, a temperatura girava em média os 15°C, hora dava pra ficar com casaco aberto, hora deveria fechar.

No Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian existem diversas trilhas com córregos, patos, lagos, flores, bem bacana de se ver. Enquanto que na própria fundação estava rolando uma exposição sobre o Fernando Pessoa e que estudantes não pagavam (o problema que estudantes pra eles é só até 25 anos). Portanto se você estiver de bobeira em Lisboa, vá conferir.

Aqui faço uma pausa de Parques e Jardins e entro em Bosques

Bosque da Ciência em Manaus

Bosque da Ciência - INPA  / Foto: Eder Ribeiro / Manaus Ágil

Bosque da Ciência – INPA / Foto: Eder Ribeiro / Manaus Ágil

Inaugurado em 1º de abril de 1995 pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, como parte das comemorações do 40º aniversário do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), o Bosque da Ciência foi fundado com o objetivo de abrir as portas do Instituto ao público.

O Bosque foi projetado e estruturado para fomentar e promover o desenvolvimento do programa de Difusão Científica e de Educação Ambiental do INPA, mantendo ao mesmo tempo a integridade física da área, preservando os aspectos da flora e fauna existentes no local.

Minha experiência no Jardim Botânico:

Quando alguém pede pra ver uma área verde preservada em Manaus eu normalmente levo essa pessoa pro Bosque da Ciência, embora tenhamos também a Reserva Adolpho Ducke e a Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

No Bosque da Ciência os principais atrativos são o peixe-boi, a ariranha, os bichos preguiças, os macacos pregos, os peixes elétricos (poraquês) e os jacarés, além claro de bichos que eventualmente podem ser encontrados como iguanas, tamanduás (nunca mais vi) e outros.

A biodiversidade que existe naquele local é incrível, o bosque é bem grande, tem alguns museus pelo caminho, restaurantes e trilhas. Não é muito florido, porque não é tanto caracterítisca (eu acho) da Floresta Amazônica.

Se você nunca viu ou ouviu falar desses animais, lá eles estão presentes.

Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Jardim Botânico do Rio de Janeiro

O Jardim Botânico do Rio de Janeiro, é uma das mais belas e bem preservadas áreas verdes da cidade, é um exemplo da diversidade da flora brasileira e estrangeira. Nele podem ser observadas cerca de 6 500 espécies (algumas ameaçadas de extinção), distribuídas por uma área de 54 hectares, ao ar livre e em estufas.

Minha experiência no Jardim Botânico:

Achei super bacana as palmeiras que formam o corredor inicial, depois percorrer o Jardim vendo exposições, vendo áreas com córregos, a variedade da flora é muito intrigante. Confesso que reconheci muitas árvores amazônicas ali, inclusive a nossa vitória régia em um dos lagos.

É uma área verde rica em história e cultura , por se tratar de um Jardim Botânico achei melhor tratá-lo por último.

Existem diversas intervenções tecnológicas para melhorar a interação entre os visitantes e o ambiente, acredito que faltou algo disso no Jardim Botânico. Vi várias pessoas fazendo book no Jardim, ficarão sem dúvida lindíssimas as fotos, pois o local é muito apropriado.

Então é isso…

Compartilhe com os amigos!
0Shares

Sobre Marcus Pessoa

Sou o idealizador do No Amazonas é Assim. Em meu blog escrevo sobre Marketing Digital, Conteúdos Criativos, Empreendedorismo, Manaus de Antigamente além de dar minhas opiniões sobre Política e outras coisas mais.
Comentários
© Copyright 2013-2019, Todos os Direitos Reservados