Tag Privacidade

Privacidade Na Internet existe ou não?

Não se iluda, não existe nada gratuíto na internet. Aliás, desconfie de algo dito “gratuito”. Lembre-se  NA INTERNET: SE VOCÊ NÃO PAGA, VOCÊ É O PRODUTO COMPRADO.

“O que antes era somente sonho de ficcionistas como George Orwell, Julio Verne e Aldous Huxley hoje já é realidade. Vivemos como se, de fato, fôssemos personagens de um imenso Big Brother –inspirado, aliás, numa antevisão de Orwell– onde já não mais existe privacidade. Com um simples clicar de botão, é possível para as autoridades levantar todos os dados de sua vida –sejam eles pessoais, profissionais ou mesmo secretos.

NA INTERNET: SE VOCÊ NÃO PAGA, VOCÊ É O PRODUTO COMPRADO

NA INTERNET: SE VOCÊ NÃO PAGA, VOCÊ É O PRODUTO COMPRADO

Redes sociais como ‘Facebook’, ‘Linkedin’ e outras foram criadas exatamente com esta finalidade, a de angariar dados que as pessoas colocam de graça em troca de um serviço. Como dizem os especialistas em Marketing, se você não paga nada por um produto ou serviço, isto significa que você é o produto que está sendo comercializado. Ou melhor, estão sendo comercializadas as informações que você disponibilizou por sua própria conta –e risco.

Através desse mapeamento, as companhias podem direcionar suas campanhas de Marketing de maneira mais objetiva. Não há razão para enviar amostra do produto em amarelo para Alice se ela mesma já declarou ser o azul sua cor predileta. E assim, através dessa seleção natural, os empresários e grupos organizados vão conquistando cada vez mais adeptos para seus produtos e serviços e também para suas causas.

A sociedade moderna, a cada dia, torna-se mais invasiva. Quando a polícia técnica efetua seus trabalhos de investigação para rastrear os suspeitos de crimes e de fraudes, vasculha todos os instrumentos usados pelos cidadãos. Dessa maneira, os peritos examinam as ligações feitas e/ou recebidas pelo suspeito e recuperam os dados contábeis e financeiros para ver se eles podem revelar informações importantes para o esclarecimento do caso.

E o que dizer das onipresentes câmeras de vídeo? Elas estão em todos os locais a denunciar crimes, roubos ou mesmo atos indiscretos. Que o diga Dominique Strauss-Khan, que trocou uma provável Presidência da França por uma desastrada cantada em uma camareira da Guiné num hotel de luxo em Nova York. A moça denunciou o figurão, e contou com as inestimáveis ajudas das câmeras e do laboratório que acusou a presença do DNA do sexagenário Don Juan numa amostra de sêmen colhida no quarto. Somente restou mesmo a ele mudar a história e afirmar que o sexo havia sido consensual.

Nada escapa dessas máquinas sofisticadas que atuam como olhos mecânicos do Big Brother. Nos aeroportos, somos submetidos a verdadeiro escrutínio no qual nossa privacidade é totalmente desrespeitada. A bagagem é examinada cuidadosamente e há, até mesmo, excesso de zelo, com o confisco de cremes e pastas de dente. Entretanto, o transtorno é tolerado porque o cuidado nunca é demais ao sabermos que terroristas suicidas podem inflitrar-se levando com eles instrumentos e elementos que podem provocar uma tragédia acima das nuvens.” (…)

FONTE: escrito por Antonio Tozzi, de Miami. O autor foi repórter do “Jornal da Tarde” e do “Estado de São Paulo”. Vive nos Estados Unidos desde 1996, onde foi editor da “CBS Telenotícias Brasil”, do canal de esportes “PSN”, da revista “Latin Trade” e do jornal “AcheiUSA”. Publicado no site “Direto da Redação” (http://www.diretodaredacao.com/noticia/adeus-privacidade) [título adicionado por este blog].

Se você não pagou por alguma coisa, você não é o cliente, é o produto à venda.

A frase, condensada no título deste post, é de um desenvolvedor Microsoft, Andrew Lewis. É claro que ele fala do ponto de vista do programador ligado ao modelo de negócios de uma das maiores empresas de software do mundo, mas à parte sua filiação, ela esconde um fundo de verdade que faz pensar.

Se você não pagou, não é o cliente, é o produto

Se você não pagou, não é o cliente, é o produto

Donde vem toda essa profusão de serviços gratuitos na internet senão de algum desejo inconfessável de extração de capital?

Liberais adoram citar seu guru, Milton Friedman, e a frase — que não é dele, mas foi utilizada como título de um de seus livros — “Não existe almoço grátis” para nos lembrar de que no capitalismo, sem dúvida, nada é de graça.

Mesmo assim, muitos insistem em se iludir que por conta de utilizarem a internet e muitos serviços eletrônicos — email, blog, twitter etc. — “de grátis”, estariam de alguma forma abrindo rachaduras na carapaça do capital.

Antes de se imaginar realizando tal tarefa — sou obrigado a dizer, tão nobre e mais do que necessária —, no entanto, talvez fosse melhor matutar se não estamos fazendo papel de bobos e sendo postos à venda sem nem nos darmos conta disso.

Na era da informação, essa é a moeda! INFORMAÇÃO!

Você cede todas as suas informações pessoais, profissionais, geográficas e de posse dessas informações suas, as empresas (aqui cito Facebook), vendem como mercadoria suas informações para outras empresas, que auxiliam as empresas a direcionarem anúncios para você.

O Facebook não é gratuíto.

Dicas para Preservar a Privacidade na Internet

Atualmente muito se fala da segurança de dados, segurança de informação e privacidade na Internet. Recentemente, estivemos todos presenciando um dos maiores escândalos sobre o vazamento de dados dos usuários.

Nenhuma grande empresa americana quis se comprometer e dizer que cedeu os seus dados, mas também não tiveram a atitude de dizer que o governo americano mentiu.
Fato é que no fundo no fundo, sabemos que todos somos vigiados 24h. Não temos como exigir privacidade, mas podemos nos prevenir.

A cada dia surgem novos e mais sofisticados métodos de invasão e violação de privacidade e coleta de informações sigilosas por meio da internet. Por mais que os sistemas operacionais evoluam e sites implantem novos sistemas de segurança, métodos que consistem em enganar o usuário continuam funcionando e trazendo prejuízos.

Dicas para Preservar a Privacidade na Internet

Dicas para Preservar a Privacidade na Internet

Empregado move processo contra patrão por violação da sua página no Facebook

Você já imaginou processar seu patrão por ele ter invadido os dados da tua conta do Facebook? Pois, isso aconteceu no Mato Grosso.

Algumas pessoas ainda não perceberam os fatores de força que o Facebook exerce e continuam se expondo através da rede social. Bem, nesse caso aqui (caso real),  o patrão preparou um dossiê a partir de informações pessoais do funcionário no seu Facebook e o demitiu por justa causa!

A justiça, reavaliou o caso e virou o jogo a favor do funcionário.

VIOLAÇÃO DE PRIVACIDADE Patrão deve indenizar por invadir Facebook de empregado

VIOLAÇÃO DE PRIVACIDADE
Patrão deve indenizar por invadir Facebook de empregado

Uma jornalista demitida por um site de notícias com base em dossiê elaborado com informações retiradas de sua página no Facebook teve revertida a demissão por justa causa e ainda receberá indenização por danos morais. A decisão foi da 4ª Vara do Trabalho de Cuiabá (MT).

[hana-code-insert name=’Google’ /]

A trabalhadora contou que, chegando ao trabalho, descobriu a violação da sua página na rede social Facebook, de onde tinham sido copiadas mensagens pessoais, principalmente aquelas instantâneas. Então, junto com seus colegas, com os quais manteve as mensagens copiadas, entregou à direção da empresa uma nota de repúdio pela violação da privacidade. Em consequência, a jornalista e outros colegas foram demitidos por justa causa.

A reclamante estava grávida e, no dia de sua demissão (19 de dezembro), iria entregar o atestado para entrar em licença gestante. Sua filha nasceu em 7 de janeiro de 2013.

[hana-code-insert name=’Google2′ /]

Para o juiz, o fato caracterizou a violação de um direito fundamental da intimidade e da privacidade do indivíduo, protegidos pela lei. “O acesso foi feito de forma ilegal, ferindo o direito ao sigilo da correspondência, e à intimidade e à vida privada da autora”, apontou na sentença.

Sobre a dispensa por justa causa da empregada, segundo o juiz, não houve fato grave que justificasse, não tendo havido nenhuma advertência anterior. As mensagens interceptadas trazem conversas corriqueiras e “não possuíam natureza dolosa de ofender o empregador”, assentou. Por isso, a demissão por justa causa foi revertida para demissão sem justa causa.

Considerando que a jornalista tinha direito à estabilidade de gestante, e que o clima entre a trabalhadora e empresa tornou impossível sua volta ao emprego, a reintegração ao emprego foi convertida em indenização dos salários e demais direitos.

Assim, a empresa deverá pagar salários referentes ao período de 19 de dezembro de 2012 a 7 de junho de 2013, saldo de salário, aviso prévio, FGTS acrescido de multa de 40% dos depósitos, 13º salário, férias e fornecer as guias habilitação ao seguro desemprego.

Dano moral

O juiz considerou que a quebra do sigilo da correspondência, violando a intimidade da trabalhadora e a dispensa arbitrária durante gravidez, colocando em risco o seu sustento e o do filho que estava para nascer, causou-lhe ofensa moral. Por isso, condenou a empresa a pagar indenização por danos morais no valor de R$ 5 mil.

Ao fixar o valor, o juiz afirmou que levou em conta a possibilidade financeira do agressor para suportar o ônus e também buscou não permitir que a reparação viesse a causar enriquecimento sem causa. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-23.

Processo PJe-JT 0000109-84.2013.5.23.0004

Fonte: Revista Consultor Jurídico

Novo bug do Facebook teria informações até de quem não tem perfil na rede social

Mais uma vez o Facebook volta a ser notícia negativa devido a segurança de dados, e dessa vez, o bug (falha) do Facebook é mais grave do que se pensava! A Packet Storm Security, empresa de segurança que ajudou a revelar o problema, anunciou que ele pode ter afetado até pessoas que não usam a rede social. A estimativa é que mais de seis milhões de usuários tiveram seus dados comprometidos.

Falha no Facebook pode ser mais grave que o divulgado (foto: Divulgação)

Falha no Facebook pode ser mais grave que o divulgado (foto: Divulgação)

[hana-code-insert name=’Google’ /]

A rede social enviou um e-mail para seus usuários afetados explicando o que havia acontecido, as informações que foram reveladas e quantas pessoas tiveram acesso a ela. A Packet Storm Security possui dados que poderiam comprovar o quão sincero o Facebook foi nestas revelações. A empresa comparou os dados divulgados com a própria pesquisa e concluiu que o dano causado foi pior do que o revelado.

O problema ocorria devido a um bug na ferramenta de download de informações do usuário, que, sem querer, dava a todos os que a usavam as informações de contato de seus amigos, mesmo que elas fossem privadas. O vazamento revelou a existência de perfis-sombra na rede social com dossiês de cada usuário, que contém informações compartilhadas por amigos, toda vez que o Facebook recebe acesso à lista de contatos de um smartphone, por exemplo.

[hana-code-insert name=’Google2′ /]

De acordo com o blog da companhia, o Facebook afirmou que um e-mail adicional de cada usuário foi revelado, mas na verdade teriam sido quatro. “Cada indivíduo foi informado de cerca de três vazamentos de um total de sete”, afirma a Packet Storm em seu blog.

Como as informações vieram de dados carregados pelos usuários, existe também a certeza que informações pertencentes a não-usuários também foi vazada. Isso significa que pessoas que não possuem contas no Facebook podem ter perfis criados com estas informações e elas não foram informadas do vazamento. “O Facebook temia que contatar não-usuários poderia levar à digulvação de mais informações”, aponta a Packet Storm.

Via Daily Dot

Como ocultar a identidade dos teus amigos do facebook

Neste artigo estarei ensinando como proteger a privacidade dos teus amigos do facebook em uma maneira bem simples e fácil. Essa opção serve para quando entre a tua lista de contatos você possui algumas pessoas importantes (principalmente políticos e pessoas influentes) e que você prefere não manter ligação com eles em público, até para não os expôr. Não somente para pessoas públicas, mas também porque você pode acreditar que seus amigos são seus amigos e que talvez os outros possam estar lhe julgado conforme o ditado : ‘Diga-me com tu andas e eu direi quem tu és!’