Tag Copa do Mundo

Manual francês alerta turistas para perigos no Brasil

Nesta terça-feira (25/2). o governo francês lançou um hotsite com um guia de como os estrangeiros devem se portar durante a estada no Brasil. O estudo mostra excesso de problemas registrados no país e explica o que fazer para evitá-los.

Mapa do Brasil mostra os locais que turistas devem evitar. Em vermelho - Oficialmente desaconselhado. Laranja - Aconselhado apenas em razões de necessidade. Amarelo - Vigilância reforçada. Verde - Vigilância normal

Mapa do Brasil mostra os locaisMapa do Brasil mostra os locais que turistas devem evitar. Em vermelho – Oficialmente desaconselhado. Laranja – Aconselhado apenas em razões de necessidade. Amarelo – Vigilância reforçada. Verde – Vigilância normal que turistas devem evitar. Em vermelho – Oficialmente desaconselhado. Laranja – Aconselhado apenas em razões de necessidade. Amarelo – Vigilância reforçada. Verde – Vigilância normal

15 tendências das Redes Sociais para 2014

Esse será sem dúvida o ano das redes sociais e dos profissionais de marketing digital. Com o avanço da tecnologia e as pessoas cada vez mais se relacionando através de internet, cabe as empresas se posicionarem e garantirem sua fração de mercado.

Preços dos Ingressos da Copa do Mundo Brasil 2014

Saiu uma lista dos preços dos ingressos para os jogos da Copa do Mundo no Brasil em 2014. Além disso, saiu também uma lista de dicas para como conseguir comprar os ingressos que serão vendidos a partir do mês de agosto!

[hana-code-insert name=’Google’ /]

Copa no Brasil terá ingressos entre 60 reais e 1.980 reais

Copa no Brasil terá ingressos entre 60 reais e 1.980 reais

Fifa iniciará a venda no dia 20 de agosto, em modelo semelhante ao da Copa das Confederações. Entidade promete melhorar distribuição dos bilhetes em 2014

[hana-code-insert name=’Google2′ /]

Os brasileiros poderão assistir a uma partida de Copa do Mundo por 60 reais, o menor preço cobrado pela Fifa na história recente do torneio (e um valor inferior aos ingressos cobrados por muitos clubes brasileiros). Com meia-entrada, os bilhetes mais baratos do torneio podem sair por 30 reais.

Preocupada com as críticas sofridas ao longo da Copa das Confederações, a Fifa cumpriu a promessa de baixar os preços – pelo menos em algumas categorias de bilhetes – e abriu as portas para que diferentes classes sociais tenham acesso aos estádios durante a competição. As entradas mais baratas são para os assentos atrás dos gols, no alto das arquibancadas, com preferência para estudantes, idosos e beneficiários do Bolsa Família. Mais de 400.000 ingressos populares serão comercializados. Não faltarão, é claro, cadeiras para quem estiver disposto a gastar muito dinheiro: os bilhetes mais caros – para a final e no melhor setor possível – custarão 1.980 reais, de acordo com o anúncio feito pela Fifa nesta sexta-feira, em São Paulo. As vendas começam no dia 20 de agosto, pelo site oficial da entidade.

JOGOS Categoria 1 categoria 2 categoria 3* categoria 4**
Abertura R$ 990 R$ 660 R$ 440 R$ 160
Fase de grupos R$ 350 R$ 270 R$ 180 R$ 60
Oitavas de final R$ 440 R$ 330 R$ 220 R$ 110
Quartas de final R$ 660 R$ 440 R$ 330 R$ 170
Semifinais R$ 1.320 R$ 880 R$ 550 R$ 220
Terceiro lugar R$ 660 R$ 440 R$ 330 R$ 170
Final R$ 1.980 R$ 1.320 R$ 880 R$ 330

*Essa faixa de preço também serve para os portadores de deficiência física **Com direito a meia-entrada

Na fase inicial de vendas, os ingressos serão sorteados entre todos os que se inscreverem no processo, sem vantagem para quem fizer o pedido no início ou no fim do prazo. Nessa etapa, o torcedor concorrerá aos bilhetes sem saber quem vai jogar – só as datas e locais das três primeiras partidas da seleção brasileira já estão marcadas. O sorteio dos grupos acontece em 6 de dezembro, na Bahia. Só depois da definição da tabela é que começa a segunda etapa das vendas. A meia-entrada para estudantes só vale para a categoria 4. Idosos podem pagar meia também nos outros setores. Os torcedores de outros países vão pagar a partir de 90 dólares pelas entradas, já que não podem concorrer aos bilhetes da categoria 4, dos ingressos populares, restritas aos brasileiros. Pelo câmbio desta sexta, o ingresso mais barato para os visitantes é equivalente a 200 reais, por entradas de categoria 3 para os jogos da fase de grupos. O ingresso sai por 20 reais a mais que o preço cobrado dos brasileiros.

Os bilhetes de categoria 1 dão acesso aos melhores lugares do estádio, nas laterais do gramado. As categorias 2 e 3 ficam nos cantos do campo e atrás dos gols, onde também serão distribuídos os portadores de ingressos populares da categoria 4. Além do preço reduzido para os setores populares, outro efeito dos ataques sofridos pela Fifa no mês passado – como pichações e cartazes contra a entidade em meio à onda de manifestações que se espalhou pelo país durante a Copa das Confederações – foi a promessa de que a distribuição dos bilhetes vai melhorar para a Copa do Mundo. O diretor de Marketing da entidade, Thierry Weil, anunciou em São Paulo que os centros de distribuição de ingressos, onde os torcedores devem retirar as entradas compradas pela internet, serão mais numerosos e terão localização mais conveniente. Para evitar que os torcedores enfrentem as longas filas observadas no mês passado, a Fifa propõe, por exemplo, espalhar centros de ingressos por todos os aeroportos das doze sedes.

Dicas para como aumentar suas chances na compra dos Ingressos para a Copa:

Escolha os jogos certos

É claro que as partidas mais importantes são as mais concorridas – todo mundo quer estar na abertura, na final e nos jogos da seleção brasileira. Quem decidir tentar a sorte nessas datas precisa saber que está disputando um lugar com muita gente. O ideal é entrar no sorteio por uma ou duas entradas desse tipo, mas tentar a sorte também nos jogos menos badalados da fase de grupos.

Aposte na pré-venda

Se você tem um cartão Visa, vale a pena tentar a compra logo na primeira fase de comercialização das entradas. Os jogos ainda não estarão definidos, mas todos sabem quais serão as datas das partidas da seleção, que está no grupo A.

Esqueça da categoria 4

A não ser que você se encaixe num dos grupos de compradores preferenciais – estudantes com carteirinha válida, idosos e beneficiários do Bolsa Família -, não é bom negócio concorrer aos bilhetes populares para o torneio. Eles são mais baratos, mas boa parte está reservada a esses três grupos. Isso significa que sua chance de ser sorteado diminui consideravelmente – afinal, há dezenas de milhares de pessoas na sua frente, por causa dos critérios de preferência adotados pela organização.

Tente sedes menores

É evidente que cada sede terá um volume enorme de inscrições de moradores do próprio município. Se você pode aproveitar para viajar no período do torneio, uma boa opção é tentar ingressos em sedes menos populosas – e, portanto, menos concorridas. São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, deverão ter uma enorme disputa pelos bilhetes.

Não recorra a cambistas

A Fifa adota uma série de mecanismos para desencorajar a revenda de bilhetes. Quem é sorteado precisa, por exemplo, entregar com antecedência o nome de quem usará cada entrada, que é intransferível. Achar que é mais fácil encontrar um revendedor é se iludir. É bem possível que você esteja pagando por um ingresso que não existe, que foi falsificado ou que foi cancelado pela Fifa. Além disso, os valores praticados por quem tenta revender os ingressos de Copa costumam ser extorsivos.

fonte : Veja

Segundo a Fifa, só 3% dos ingressos foram comprados por estrangeiros

O turismo durante na Copa das Confederações não alavancou como se era esperado ( esperado pela presidente, pelos comerciantes que trataram de super faturar os preços, e dos cambistas e oportunistas de plantão).

Durante esse período de pré- Copa das Confederações, pudemos presenciar em várias reportagens como os turistas são tratados como “idiotas” no Brasi. O Brasil, de norte a sul, não sabe muito bem como tratar os turistas estrangeiros. Arrisco-me a dizer que aqui não sabemos nem mesmo tratar direito os brasileiros!

Dá uma olhada no Kikão (Hot-Dog) padrão FIFA – R$ 8,00!

Pão Velho, Salsicha de péssima qualidade e recheio de Vento.
Os organizadores, fingem não ver.  A população reclama, mas, com fome, acaba comprando.  Enquanto isso, a FIFA só se preocupa com a contabilidade. Imagina na Copa…

Inacreditável esse cachorro quente que está sendo vendido nos estádios. Imagina na Copa…

Inacreditável esse cachorro quente que está sendo vendido nos estádios.
Imagina na Copa…

Tudo isso aliado com a crise internacional (europa principalmente) e  as manifestações que mudaram a rotina do Brasil, foram fundamentais para o resultado tão negativo. E lembrem-se, isso será com certeza levado em consideração para os jogos da Copa do Mundo do ano que vem.

Como se não bastasse, apenas os brasileiros quererem chamar a atenção internacional, ainda tivemos a seleção espanhola, por exemplo, a mais vitoriosa dos últimos anos e com certeza uma das mais influentes do mundo futebolístico na atualidade,reclamando o tempo todo. Os espanhóis reclamaram do calor, dos hotéis no Brasil e do campo de treinamento.

Tanta reclamação, apoiada com os protestos populares que parecem não ter datas para pararem, comprometem inclusive o turismo do ano que vem.

Para mudar, é preciso termos uma política pública de emergência. Já possuímos um plano de longo prazo (Plano Aquarela), para atrairmos os gringos, porém, é necessário, EDUCAR O POVO BRASILEIRO.

Abaixo segue a matéria do Estadão.

[hana-code-insert name=’Google’ /]

SÃO PAULO – A Copa das Confederações não movimentou o turismo interno nem atraiu muitos turistas estrangeiros, informou nesta segunda-feira (8) o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Segundo a Fifa, só 3% dos ingressos foram comprados por estrangeiros - Nilton Fukuda/Estadão

Segundo a Fifa, só 3% dos ingressos foram comprados por estrangeiros – Nilton Fukuda/Estadão

Segundo a Fifa, só 3% dos ingressos foram comprados por estrangeiros

De acordo com pesquisa encomendada pelo órgão junto a torcedores das seis cidades sede do evento, 85% das pessoas que foram aos estádios moravam no Estado em que o jogo foi realizado. O SPC Brasil informou ainda que, segundo dados da Fifa, apenas 3% dos ingressos foram comprados por torcedores estrangeiros.

[hana-code-insert name=’Google2′ /]

“Uma pesquisa anterior, realizada em abril deste ano, mostrou que 83% dos comerciantes acreditavam que a Copa das Confederações traria novas oportunidades de desenvolvimento para os negócios locais. A falta de turistas no evento, aliada aos resultados das manifestações nas ruas, frustraram essas expectativas”, disse o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Junior.

A pesquisa também traçou o perfil do consumidor que foi aos estádios durante a Copa das Confederações. De acordo com o levantamento, a maioria dos torcedores era formada por homens (62%), solteiros (59%), com idade na faixa de 18 a 34 anos (60%), pertencentes às classes A e B (75%) e que foram aos jogos com amigos (45%).

Os dados mostram ainda que o consumo durante o evento foi direcionado para o setor de serviços, como restaurantes, bares e boates. Segundo a sondagem, cerca de 70% das pessoas que foram aos estádios não compraram produtos para levar para casa, como suvenires, roupas e artigos esportivos.

A nota média dada pelos entrevistados para a Copa das Confederações foi sete, em uma escala de zero a dez. Os estádios ficaram com o maior porcentual de avaliações positivas (88%), seguidos de hospedagem (58%), comércio em geral (57%), bares e restaurantes (56%) e turismo/cultura/eventos (52%). Já os piores foram transporte público (48%), estacionamento (46%), mobilidade urbana (40%) e aeroportos (29%).

A pesquisa mostrou que 85% dos torcedores acham que o investimento pessoal para ir aos estádios valeu a pena, porém 62% ainda consideram o Brasil despreparado, de uma maneira geral, para a Copa do Mundo de 2014.

“O público considerou a preparação adequada para um evento teste como a Copa das Confederações, mas ainda falta melhorar para o evento principal”, disse o gerente financeiro do SPC Brasil, Flávio Borges.