Represa da Cachoeira Grande em Manaus

A Represa da Cachoeira Grande foi inaugurada em 1888, com uma represa de 105 metros de comprimento – a água era cristalina e potável. Desaguam por lá vários igarapés, sendo principais os Igarapés do Mindú e dos Franceses, outrora, todos serviam de balneários para os manauenses se refrescarem nas tardes quentes de verão amazônico.

Essa é a imagem da usina hidrelétrica da Cachoeira Grande, uma das primeiras do País.

Essa é a imagem da usina hidrelétrica da Cachoeira Grande, uma das primeiras do País.

A fotografia antiga mostra como era bonito o local, aparecendo vários prédios, a represa e algumas pessoas vestidas a caráter, passeando pelo entorno. O progresso desenfreado e a insensibilidade das pessoas acabaram com tudo, o igarapé virou um esgoto a céu aberto – o que restou do empreendimento foram as ruinas do imponente prédio, no estilo medieval.

a usina hidrelétrica da Cachoeira Grande, uma das primeiras do País

a usina hidrelétrica da Cachoeira Grande, uma das primeiras do País

Quem desejar conhecer o local deve descer um beco, no inicio da Ponte de São Jorge, andar pelas casas tipo palafitas e lamentar muito pelo estado em que se encontra o imóvel. Apesar de tudo de ruim que os homens fizeram, ele faz parte da nossa história, não podemos permitir a destruição total da nossa memória.

Ruínas da Represa da Cachoeira Grande Foto: Fernanda Preto

Ruínas da Represa da Cachoeira Grande
Foto: Fernanda Preto

Descortinar a historia por entre amontoados de palafitas na Rua da Cachoeira, no bairro de São Jorge, em Manaus, é vislumbrar um passado da cidade que se perde diante da poluição. As ruínas imponentes do que restou do prédio, escondidas entre construções toscas que se equilibram sobre toras de madeira às margens do igarapé de águas fétidas, surgem insistindo em ficar.

Represa da Cachoeira Grande Foto : Fernanda Preto

Represa da Cachoeira Grande
Foto : Fernanda Preto

O passado daquela obra magnífica pode nos ensinar como não construir o futuro. Nos últimos 140 anos, se destruiu de maneira irresponsável aproximadamente 140 quilômetros dos mananciais hídricos que serpenteavam Manaus, O primeiro igarapé a ser aterrado, o igarapé da Manaus Harbour, no centro da cidade. O desastre ambiental motivado pelo habito da população de jogar dejetos e cortar a mata ciliar dos igarapés para obter lenha para a cozinha gerou um problema de grandes proporções, que pode ser resumida na seguinte pergunta: Como dar de beber água para uma população crescente?

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

O rio Negro, em frente à cidade, nunca foi boa fonte potável pelo cheiro forte e tonalidade escura cor de mel ou, como diziam os antigos, alhambre. Procurou-se uma solução para abastecer de água nas nascentes dos igarapés de Manaus, Castelhana, Cachoeirinha e, por fim, foi escolhido o da Cachoeira Grande, por apresentar as seguintes características: estar próximo a Manaus três quilômetros, ter vazão na estação das chuvas de 80 milhões de litros de água e 8 milhões no tempo da estiagem, dissolver bem o sabão, cozer os legumes e não apresentar vestígios sensíveis de matérias orgânicas ou terrosas em dissolução.

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

O engenheiro Lauro Batista Bittencourt, projetista da obra, calculou a necessidade de Manaus em 500 mil litros diários. Sendo pouco considerável a queda d’água no lugar escolhido, foi conveniente eleva-la a uma altura suficiente para a distribuição na cidade. Por isso, projetou-se a construção de uma represa com 104,30 metros de comprimento, 3,50 na maior espessura e 3,80 metros na maior altura, em alvenaria de pedra e cimento,

Em um contrato minucioso, ficou prevista também a construção de uma caixa de distribuição, uma rede com encanamento de ferro fundido, aquisição de bombas, turbinas e reservatórios na Praça dos Remédios.

Usina Cachoeira Grande Manaus

Usina Cachoeira Grande Manaus

Usina Cachoeira Grande Manaus

Usina Cachoeira Grande Manaus

a usina hidrelétrica da Cachoeira Grande, uma das primeiras do País

a usina hidrelétrica da Cachoeira Grande, uma das primeiras do País

A pedra fundamental para o inicio da construção foi lançada em 1º de julho em 1883. Um ano depois, a barragem esta pronta. Antonio Lopes Mendes, viajante português, visitou o local. Deixou suas impressões no seguinte texto: “Hoje visitamos as obras hidráulicas em execução na Cachoeira Grande. A água é cristalina e potável. Tomamos a picada aberta através da floresta que fica ao norte da cidade e, de lá, avistamos um grande manancial. Ali vimos muitos portugueses que executavam diversos serviços. Estes nossos compatriotas ganham de 2.500 reis a seis mil reis, salário insignificante numa terra onde um ovo de galinha custa 240 reis, uma galinha, seis mil e, em caso de necessidade, 18 e 20 mil reis! E tudo o mais nesta proporção”.

a usina hidrelétrica da Cachoeira Grande, uma das primeiras do País

a usina hidrelétrica da Cachoeira Grande, uma das primeiras do País

No dia 20 de agosto de 1888 foi feita a primeira experiência com as turbinas, bombas e encanamento principal de nove polegadas, com excelente resultado. No dia 8 de dezembro, foi feita a experiência definitiva e, desde então, a cidade começou a ser abastecida regularmente 10 a 12 horas por dia, elevando até a altura do grande reservatório.

No esforço tecnológico para a construção desta memorável obra de engenharia, se utilizou trem de ferro até a localidade chamada Teju e britadeira para quebrar a pedra em tamanhos regulares para o concreto em cimento Portland. Essa obra foi o maior investimento feito na Região Norte no governo imperial de D. Pedro II.

Hoje, a população do local e muitos amazonenses não fazem noção da importância deste patrimônio.

População usando as paredes da ruína da Cachoeira Grande para usa-las como varal. Foto: Fernanda Preto

População usando as paredes da ruína da Cachoeira Grande para usa-las como varal.
Foto: Fernanda Preto

A Prefeitura de Manaus ainda pode revitalizar o prédio, indenizar todos os moradores do local, fazer um passeio público e inclui-lo como parte do Parque dos Bilhares, mas, falta vontade política por parte dos prefeitos de Manaus.

Igarapé da Cachoeira Grande

Igarapé da Cachoeira Grande

Igarapé da Cachoeira Grande

Igarapé da Cachoeira Grande

Igarapé da Cachoeira Grande

Igarapé da Cachoeira Grande

Igarapé da Cachoeira Grande

Igarapé da Cachoeira Grande

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

Igarapé da Cachoeira Grande Antigamente

Fontes de algumas fotos:
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.1453030021986.42827.1720376161&type=3
Arquivo: César e Cia.
Fonte:Carmélia Esteves de Castro.
Fonte: Álbum do Amazonas 1901-1902
Fonte: Postais de Alain Coix (França)
Fonte: AFABB-AM
Fonte: IGHA-AM
Fonte: Photo Allemã
Fonte: URBAM
Muséu da Homen do Norte
Coleção: Jorge Herrán
http://jmartinsrocha.blogspot.it/2010/11/o-sistema-de-captacao-de-aguas-de.htm
http://blogdoiaciamazonas.blogspot.com.br/2011/08/projeto-expedicoes-igarapes-de-manaus.html

DEIXE SEU COMENTÁRIO AQUI!

Sou manauense, graduado em Design de Interface Digital, pós-graduado em Marketing, Propaganda e Publicidade pela Laureate International Universities e mestrando em Design da Comunicação na Politecnico di Milano – Itália. Sou o idealizador do No Amazonas é Assim e recebi o Prêmio Top Empreendedor nas Américas, além da Comenda da Cruz do Reconhecimento do Mérito do Empreendedorismo e a Cruz do Mérito da Amazônia, ambas as comendas outorgadas pela pela Câmara Brasileira de Cultura. Me interesso por Marketing Digital, Mídias Sociais, Branding, Gestão de Conteúdos Web, Turismo Cultural, Manaus de Antigamente além de Políticas Criativas.