O que faz um “troll” “trollar”

Se você esteve nos últimos tempos confinado em algum lugar da Sibéria, talvez não saiba o que um troll é. De acordo com a nossa Barsa (quem lembra dessa?) moderna, a Wikipédia, um troll é aquela “pessoa cujo comportamento tende sistematicamente a desestabilizar uma discussão, provocar e enfurecer as pessoas envolvidas nelas”.

O que faz um "troll" "trollar"

O que faz um “troll” “trollar”

A fama desses seres virtuais aumentou ainda mais após o sucesso repentino e enorme do 9gag.com, um site que contava com atualizações dos usuários, piadas, e possuía até um personagem típico que era, adivinhem, o “Troll”.

O tema virou assunto de pesquisa séria, algo que Whitney Phillips vem fazendo há quatro anos, em fóruns e no Facebook. De acordo com Phillips, certa vez um troll definiu os da sua índole como “uma pessoa normal que faz coisas insanas na internet”. De acordo com ele, a possibilidade de trollar surge da passagem das piadas inapropriadas, ditas em ambientes da vida “real”, para o mundo virtual, com a possibilidade do anonimato – o mesmo que você faz com seu grupo de amigos na “realidade”.

De acordo com a pesquisadora, um dos maiores desafios nesse tipo de investigação é o fato dos trolls contarem como um dos pontos centrais de sua identidade o anonimato. Foi preciso um bom tempo até criar intimidade e entrar nesse mundo um tanto estranho.

Além do anonimato, o pesquisador aponta outros três aspectos que definem o grupo: identidade (trolls se vêem como trolls, e não tem vergonha disso), linguagem própria (como o termo “fap” para masturbação – consegue adivinhar por quê?) e um tipo de risada virtual específica.

O tipo de alvo dos trolls depende de cada um. Certos indivíduos, como descobriu Phillips, exercem até um papel socialmente mais aceito, como “zoar” grupos anti-semitas. Outros nem tanto, se organizando para postar mensagens indecentes em perfis de Facebook de pessoas que morreram.

Para quem achou que isso parece coisa de menino, acertou. A pesquisadora comenta que, durante os anos de pesquisa, raramente encontrou uma mulher troll.

No fim, vem a pergunta: o que fazer com tal comportamento? Para Phillips, nós não devemos alimentar esse tipo de comportamento, porque muitas vezes as principais piadas entram no campo do racismo e do preconceito. Ela se deparou diversas vezes com esse tipo de situação, em especial piadas sobre estupro, em vários locais da internet, e comentários racistas durante as eleições presidenciais americanas de 2008.

E você? O que sabe ou acha dos trolls? [MSN]

Comentários

Sou manauense, graduado em Design de Interface Digital, pós-graduado em Marketing, Propaganda e Publicidade pela Laureate International Universities e mestrando em Design da Comunicação na Politecnico di Milano - Itália. Sou o idealizador do No Amazonas é Assim e recebi o Prêmio Top Empreendedor nas Américas, além da Comenda da Cruz do Reconhecimento do Mérito do Empreendedorismo e a Cruz do Mérito da Amazônia, ambas as comendas outorgadas pela pela Câmara Brasileira de Cultura. Me interesso por Marketing Digital, Mídias Sociais, Branding, Gestão de Conteúdos Web, Turismo Cultural, Manaus de Antigamente além de Políticas Criativas.