Categoria Memórias de Manaus

Conheça o lado desumano da Belle Époque que você não aprende nos livros tradicionais

A Belle Époque (bela época, em português) foi um período histórico-cultural de muitos avanços tecnológicos que surgiu após a Segunda Revolução Industrial, na Europa, no final do século XIX (1860-1870) e durou até a eclosão da Primeira Guerra Mundial em 1914. A expressão também designa o clima intelectual e artístico do período em questão. Foi uma época marcada por profundas transformações culturais que se traduziram em novos modos de pensar e viver o quotidiano.

Conheça a história do Santuário de Nossa Senhora de Fátima em Manaus

O Santuário de Nossa Senhora de Fátima em Manaus, está localizado na Rua Japurá, em um dos mais tradicionais bairros da capital amazonense, o bairro da Praça 14 de Janeiro, zona sul de Manaus. Desde a fundação do bairro, os moradores do bairro da Praça 14 são muitos católicos e festeiros, tanto que ao lado do santuário, existe o barracão da Escola de Samba Vitória Régia, com samba de janeiro a janeiro, porém, os tambores somente começam a animar a população local depois da santa missa, claro.

Conheça a história do bairro Praça 14 de Janeiro em Manaus

A história da Praça 14 está intrinsecamente ligada à Revolução de 14 de janeiro de 1892, quando um grupo de revolucionários liderado por Almino Álvares Affonso, Leonardo Malcher e Lima Bacuri tentou tirar do poder o governador da época Thaumaturgo de Azevêdo, cujo principal motivo era a insatisfação popular, deveu-se ao fracasso da administração estadual, provocada pelo atraso do funcionalismo e fornecedores, dessa forma provocando uma grave crise que culminou com um rompimento até mesmo com o governo federal.

O Café-Bar mais tradicional de Manaus : O Café do Pina

Situado na Praça da Polícia, o Café do Pina é um dos bares e cafés mais tradicionais da cidade, e possui até uma confraria. O Café do Pina foi inaugurado em 03/05/1951 e tradicionalmente faz parte da história de Manaus. Nos primórdios, o Café do Pina ou Pavilhão São Jorge, estava localizado originalmente ao lado do Quartel da Polícia Militar, na praça Heliodoro Balbi.

História da Catedral Metropolitana de Manaus ou Igreja da Matriz

A atual Catedral Metropolitana de Manaus está situada na parte central da cidade, sobre uma elevação entre os igarapés do Espírito Santo e da Ribeira (ambos aterrados), com sua fachada principal voltada para o rio Negro que até hoje é o principal portão de entrada da capital amazonense.

História da Santa Casa de Misericórdia em Manaus

A Santa Casa de Misericórdia de Manaus, faz parte da historia de muitos amazonenses. Muita gente nasceu naquele prédio, que hoje está destruído. A deterioração é perceptível desde a porta de entrada, pichada e com vidros quebrados. O local também é alvo de constantes saques e depredações. A polícia já registrou encontro de cadáveres nas proximidades e até mesmo dentro do prédio

Um breve histórico sobre os boi bumbás de Manaus

Em primeiro plano, o boi de fugida do bumbá Tira Prosa, no fundo o boi original

Em primeiro plano, o boi de fugida do bumbá Tira Prosa, no fundo o boi original

O momento mais aguardado da brincadeira do boi-bumbá, entretanto, acontecia depois do período junino, às vezes no começo de agosto: a “fugida” do boi. Para essa parte final da festança, era providenciada uma réplica do boi original, mais pobre e mais tosca. O bumbá “fugia” do curral em uma noite de sábado.

No domingo pela manhã, os vaqueiros saíam do curral em busca do boi fujão. Dois ou três miolos se revezavam na fuga para não dar vida mansa aos vaqueiros, que precisavam obrigatoriamente prender o boi fujão pelo laço. A criançada, evidentemente, torcia pelo boi. E haja correria desenfreada do bumbá pelas ruas dos bairros, freadas bruscas, avanços, recuos, com o boi se desviando milagrosamente o tempo todo dos laços jogados pelos vaqueiros.

História da Praça da Saudade em Manaus

Inicialmente chamado de Largo da Saudade, a Praça 5 de Setembro ou Praça da Saudade, foi inaugurada em 1865 na cidade de Manaus.

Em 1897 foram construídos os jardins e passeios, mas somente em 1932 passou à denominação de praça.

A Curva da Morte no bairro da Cachoeirinha em Manaus

O cruzamento das ruas Waupés e Ipixuna ganhou o nome de “Curva da Morte” nos anos 60 por ser uma curva extremamente fechada e de péssima pavimentação, que não oferecia boa visibilidade aos motoristas.

O trecho da Waupés (hoje conhecida como Av. Presidnte Castelo Branco) entre a Ipixuna e a Silves era entrecortado por vários igarapés, de forma que necessariamente os motoristas que vinham pela Waupés eram obrigados a dobrar à direita, na Ipixuna, para alcançarem o resto do bairro da Cachoeirinha.