Cartazes LGBT nas escolas em Toronto usam tecnologia para aumentar o respeito e conscientizar os alunos sobre as diferenças de gênero e orientação sexual

Diferentemente das campanhas brasileiras, ou mesmo, dos kits que estão sendo distribuído nas escolas brasileiras, o Canadá conta com campanhas criativas, tecnológicas e funcionais nos corredores escolares da cidade de Toronto.

Campanha LGBT criativa

Campanha LGBT criativa

O objetivo é aumentar o respeito e conscientizar os alunos sobre as diferenças de gênero e orientação sexual. A organização Pflag, que luta em defesa da comunidade LGBT, criou cartazes tecnológicos que comunicam a proximidade dos gays e heterossexuais.

A peça publicitária foi feita pela J. Walter Thompson Canadá, que desenvolveu uma técnica especial de impressão especialmente para a campanha. Ao impresso foi adicionado um componente interativo, que é acionado pelos flashes disparados diretamente dos smartphones dos alunos.

Poster LGBT que acende com luz do flash

Poster LGBT que acende com luz do flash

No poster, foi utilizado a bandeira do orgulho gay, com as cores do arco-íris, símbolo adotado pela causa, os banners trazem a lista de nomes “Lésbica, Gay, Bissexual, Trans, Hétero, Queer e 2-Spirited”, nas paredes da Toronto District School.

Tanto Queer quanto 2-Spirited são variações norte-americanas da comunidade LGBT, a primeira, considera pessoas que não definem seu sexo, já a segunda, abrange gays da comunidade indígena.

A surpresa dos cartazes está no momento em que os alunos fotografam as peças.

Antes e Depois o poster LGBT que acende com luz do flash

Antes e Depois o poster LGBT que acende com luz do flash

Devido a luz do flash, outras palavras surgem, complementando as primeiras. Assim, “lésbica”, ganha o adicional “parceira”, “gay”, leva o complemento “companheiro de equipe”, e assim segue com todas as catalogações da lista.

Embora não tenha nada sobre “compartilhe”, “curta” e “comente”, muitos alunos canadenses espalharam a mensagem nas redes sociais e ajudou a levar ainda mais longe a mensagem. O objetivo complementar era ter os estudantes falando sobre essas coisas, então, esse tipo de comunicação funcionou perfeitamente para levar a mensagem.

[box type=”note” ]

Minha opnião

Particularmente, penso que esse tipo de conteúdo seja delicado para se tratar nas escolas, mas acredito que iniciativas como essas são extremamente válidas para serem levadas em escolas de ensino fundamental e médio.

A criatividade é uma arma poderosa para dissolver o preconceito, abrir mentes e ajudar a unir tribos distintas.

Através de iniciativas criativas como essas, o preconceito pode ser combatido, e principalmente, esse tipo de iniciativa reforça ainda mais que as pessoas, independente de orientação sexual, devem e precisam ser respeitadas.

É bem verdade que foi um caso isolado, em uma única escola canadense e compostas por adolescentes, mas ainda assim é inegável que foi uma bela iniciativa. Nas escolas de Manaus, tendemos a pensar que essa iniciativa fracassaria, mas quem está disposto a experimentar e inovar na abordagem sobre o tema?

O formato de escola manauara, no todo, ainda é muito arcaico. Os diretores são escolhidos por indicação e não por mérito. Somente isso já seria o suficiente para sabermos o interesse dos mesmos.

Políticas criativas precisam estar presentes em nossas vidas, assim como o respeito pelo próximo. Pense nisso.[/box]

 

Comentários

Sou manauense, graduado em Design de Interface Digital, pós-graduado em Marketing, Propaganda e Publicidade pela Laureate International Universities e mestrando em Design da Comunicação na Politecnico di Milano - Itália. Sou o idealizador do No Amazonas é Assim e recebi o Prêmio Top Empreendedor nas Américas, além da Comenda da Cruz do Reconhecimento do Mérito do Empreendedorismo e a Cruz do Mérito da Amazônia, ambas as comendas outorgadas pela pela Câmara Brasileira de Cultura. Me interesso por Marketing Digital, Mídias Sociais, Branding, Gestão de Conteúdos Web, Turismo Cultural, Manaus de Antigamente além de Políticas Criativas.