2ª Edição do Projeto : Lugares que o Dia Não me Deixa Ver

E HOJE, 18h00, COMEÇA A 2ª. EDIÇÃO DO Projeto “Lugares que o Dia não me Deixa Ver” – Intervenções Artísticas.

E HOJE, 18h00, COMEÇA A 2ª. EDIÇÃO DO Projeto “Lugares que o Dia não me Deixa Ver” – Intervenções Artísticas.

Hoje inicia a 2ª edição do projeto : “Lugares que o dia não me deixa ver“, realizado pelo Casarão de Ideias , através do bailarino e diretor João Fernandes (uma pessoa fantástica e super acessível).

Esse é sem sombra de dúvidas um dos projetos mais criativos, inteligentes e bem bolados para a nossa cidade. Ano passado, levei minha mãe para participar e prestigiar o evento, ela curtiu muito e passou quase 1 mês comentando sobre.

O projeto ‘Lugares que o dia não me deixa ver’, faz um alerta de preservação do patrimônio histórico local por meio da dança, do teatro e de uma iluminação especial. O evento tentava despertar o interesse dos amazonenses para os espaços públicos.

A criação do projeto surgiu da inquietação dos artistas locais em resgatar e valorizar essa memória que está ficando despercebida pela população. “Nossa função, enquanto atores e bailarinos, é tentar chamar a atenção da sociedade para locais que, por vezes, estão abandonados por forças políticas do Estado e do município. Acima de tudo, somos cidadãos que buscam preservar a história de Manaus” disse João.

Para este ano, 15 lugares da cidade foram selecionados para receber as iluminações especiais e as intervenções. Aqui Existem Histórias, Memórias e Afetos! O evento rolará durante todo o mês de setembro, sempre às segundas-feiras!

Hoje, além da projeção das luzes para valorizar os traços e entornos da Santa Casa, serão expostas cerca de 30 a 40 fotografias do grupo ‘A Escrita da Luz’, projeto que abriga trabalhos de fotógrafos como Alexandre Fonseca, Ione Moreno, Raphael Alves e Lucas Jatobá.

Data: 02/09 (segunda-feira)
Horário: 18h
Local: Santa Casa de Misericórdia

A primeira edição do projeto ocorreu em 4 locais históricos : Relógio Municipal, Fachada abandonada na Avenida Getúlio Vargas com Leonardo Malcher, Complexo da Booth Line e no Cabaret Chinelo/Hotel Cassina.

A primeira edição do projeto ocorreu em 4 locais históricos : Relógio Municipal, Fachada abandonada na Avenida Getúlio Vargas com Leonardo Malcher, Complexo da Booth Line e no Cabaret Chinelo/Hotel Cassina.

Comentários
Sou manauense, graduado em Design de Interface Digital, pós-graduado em Marketing, Propaganda e Publicidade pela Laureate International Universities e mestrando em Design da Comunicação na Politecnico di Milano - Itália. Sou o idealizador do No Amazonas é Assim e recebi o Prêmio Top Empreendedor nas Américas, além da Comenda da Cruz do Reconhecimento do Mérito do Empreendedor, ambos pela pela Câmara Brasileira de Cultura. Me interesso por Marketing Digital, Mídias Sociais, Branding, Gestão de Conteúdos Web, Turismo Cultural, Manaus de Antigamente além de Políticas Criativas.