10 coisas ilegais que você faz na Internet

Todos nós realizamos algumas pequenas infrações no nosso dia a dia online. Embora atividades como assistir um filme via streaming naquele site de “procedência duvidosa”, ou realizar o download no Pirate Bay, possam parecer banais, muitas coisas são tecnicamente ilegais perante a justiça. Confira algumas práticas ilegais que você possivelmente anda fazendo na web.

10 coisas ilegais que você faz na Internet

10 coisas ilegais que você faz na Internet

1. Grooveshark

O popular serviço de streaming de música Grooveshark pode parecer inocente, mas já sofreu inúmeros desentendimentos nos tribunais. Ao longo dos anos, importantes gravadoras dos EUA, incluindo a EMI, Universal, Sony e Warner Music, processaram o Grooveshark por violação de direitos autorais e pagamentos de royalties. Apesar de boa parte dos problemas judiciais com as gravadoras terem sido resolvidos, muitas das faixas disponíveis no Grooveshark ainda são transmitidas ilegalmente.

2. Fazer gifs e memes

Apesar de ser uma prática absolutamente comum, esse tipo de “manifestação criativa” geralmente usa material protegido por direitos autorais sem permissão. Mas a cópia de material com direitos autorais é ilegal quando acontece direto da fonte, ou seja, da versão original da imagem. No entanto, é praticamente impossível processar o autor de gifs devido à ampla distribuição do material em sites como Tumblr, por exemplo, e a dificuldade de descobrir a origem real de uma imagem na Internet.

3. Baixar arquivos e utilizá-los sem permissão

Esse item é óbvio, mas é preciso dizer que baixar arquivos JPG, PNG, PDF ou qualquer outro tipo que você acha em uma simples busca no Google é ilegal. Enquanto você está apenas olhando para eles online, tudo bem, mas a partir do momento que você baixar a imagem pesquisada, será possível distribuí-la da maneira que você quiser, e isso é ilegal. A exceção para essa regra se dá se o proprietário do arquivo original te der permissão para baixá-lo ou se eles forem licenciados em Creative Commons.

4. Trabalhar remotamente em outro país

Graças à maravilhosa Internet, trabalhar remotamente enquanto visita outro país pode ser tão simples quanto verificar um e-mail. O problema é que em alguns países é ilegal trabalhar dentro de seus limites, mas ser pago por outro. Por exemplo, um cidadão brasileiro trabalhando remotamente para uma empresa brasileira no Reino Unido enquanto está de férias e sem um visto de trabalho pode ser um ato ilegal. Isso porque a empresa recolhe seus impostos no Brasil, e não no Reino Unido.

5. Compartilhar Wi-Fi com o vizinho

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) diz que quando um assinante monta uma rede Wi-Fi, ela não pode exceder o perímetro de sua residência. Meio sem sentido, mas é assim! Isso quer dizer que instalar um roteador e passar a senha para o vizinho, mesmo que seja seu amigo, é considerado ilegal. A fiscalização da Anatel para esse tipo de infração só ocorre mediante denúncia.

6. Bloqueadores de anúncios

Embora sejam irritantes, os anúncios em banners e pop-ups espalhados pela web são pagos para serem exibidos. Sim, ainda tem empresa que paga para incomodar o usuário com pop-up. Ignorar esses anúncios pode ser equivalente a “não pagar a tarifa para visualizar o conteúdo em questão” e, em alguns casos, bloquear anúncios em seu navegador pode ser ilegal, de acordo com o Mashable. Alguns sites podem perder bilhões de dólares a cada ano devido ao fato de os visitantes não verem as mensagens de seus anunciantes.

7. Ignorar paywalls

Outra maneira de dar prejuízo para as empresas é ignorar os paywalls (muros de pagamento) – uma espécie de barreira que solicita pagamento para acessar determinados conteúdos pela internet, de jornais e revistas. Ignorá-los é outra maneira de obter um conteúdo que você deveria pagar para ler sem realmente colocar a mão no bolso.

No Brasil, o primeiro jornal a adotar o sistema foi a Folha de S.Paulo, há pouco mais de um ano. No modelo escolhido pela Folha, o internauta pode ler até 20 textos gratuitamente por mês, sendo que após o décimo clique ele é convidado a fazer um cadastro simples, mas muitos acabam ignorando esse processo.

8. Configurar VPN para identificar outro IP

Alguns usuários não se contentam com o conteúdo oferecido pelo Netflix no Brasil e mudam seu endereço de IP para parecer que ele está nos Estados Unidos e, dessa forma, ter acesso ao conteúdo internacional do serviço de streaming. Mas vale lembrar que isso é tecnicamente ilegal.

9. Criar conta fake no Twitter

Você não tem permissão para operar contas no Twitter que levem o nome de outra pessoa sem que ela seja claramente rotulada como sendo “fake”. De acordo com os termos e condições da rede de 140 caracteres, o Twitter não permite que seus usuários representem outras pessoas. Por exemplo, o premiado perfil “Dilma Bolada” deixa bem claro na sua bio: “Sou uma sátira”, para cumprir as regras da rede social e se identificar como uma paródia.

10. Compartilhar senhas de serviços online

O Netflix, por exemplo, não considera ilegal compartilhar a senha de sua conta com outras pessoas, mas o serviço alerta que “ao compartilhar a senha do serviço Netflix, o proprietário da conta concorda em fazer o possível para garantir que os outros moradores da casa cumpram os termos de uso, e será responsabilizado pelas ações desses usuários”.

Matéria completa: Canal Tech

Comentários

Sou manauense, graduado em Design de Interface Digital, pós-graduado em Marketing, Propaganda e Publicidade pela Laureate International Universities e mestrando em Design da Comunicação na Politecnico di Milano - Itália. Sou o idealizador do No Amazonas é Assim e recebi o Prêmio Top Empreendedor nas Américas, além da Comenda da Cruz do Reconhecimento do Mérito do Empreendedorismo e a Cruz do Mérito da Amazônia, ambas as comendas outorgadas pela pela Câmara Brasileira de Cultura. Me interesso por Marketing Digital, Mídias Sociais, Branding, Gestão de Conteúdos Web, Turismo Cultural, Manaus de Antigamente além de Políticas Criativas.